Ultimas Notícias

COMO É A VIDA DE QUEM NASCE COM RABO? POR QUE ISSO ACONTECE?

O corpo humano é realmente incrível. Estudar nosso processo de evolução é algo que pesquisadores do mundo todo ainda fazem, mesmo depois de tantas descobertas a respeito. O fato é que dificilmente seremos capazes de descobrir tudo exatamente como aconteceu desde o nascimento do primeiro ser humano. Se nós somos mesmo parentes dos macacos, em algum momento perdemos nossa cauda, não é mesmo?


Talvez você já tenha escutado falar de algumas situações em que pessoas que nascem com rabo. Não, aqui não estamos mencionando casos que aconteceram milhões de anos atrás... Embora seja realmente estranho e difícil de acreditar, é bastante raro, mas casos ainda acontecem em dias atuais. Existe uma variedade de coisas que podem acabar salientando do cóccix de um recém-nascido. Dentre elas, cistos e tumores podem ser citados. Mas o que acontece quando existe de fato, um rabo na região?
No processo de desenvolvimento do embrião dentro do útero da mãe, em suas 5 primeiras semanas de vida apresenta uma espécie de rabo. É de fato, uma protuberância no cóccix que lembra esse membro, mas que é absorvido na oitava semana da gestação. No entanto, em alguns raros casos ela não desaparece. Permanece junto ao bebê até o momento de seu nascimento.

Geralmente, as pessoas que nascem com tal condição possuem essa espécie de "apêndice" formado por tecido adiposo e conectivo. Apresenta ainda feixes de músculo estriado e até mesmo vasos sanguíneos e nervos! Estes são sinais de que o membro pode apresentar certa sensibilidade e até mesmo se mover.

Um artigo publicado no ano de 2012, relato o caso de 6 pacientes entre 3 dias e 2 anos de idade que nasceram com tal condição. Deles, 4 apresentavam o rabo na região lombar, enquanto 3 deles também possuíam um problema congênito. Isso fazia com que a parte inferior de suas medulas espinhais fossem expostas por meio de um buraco na coluna vertebral, problema chamado de "espinha bífida".

De todas as crianças, apenas uma possuía conexão entre o rabo e a espinha. Por alguma razão, os pais não autorizaram a retirada do membro e os médicos nunca souberam o que aconteceu com a criança. Talvez tenha sido apenas por medo. As outras foram submetidas a processos cirúrgicos e puderam prosseguir normalmente com suas vidas.

Com Fatos Desconhecidos

Nenhum comentário