8 adolescentes tentam suicídio em Curitiba por terem jogado "Baleia Azul"

Os 8 adolescentes internados na rede publica de saúde de Curitiba já estão em casa e passam bem. A informação foi passada pela Secretaria Municipal de Saúde na manha desta quarta-feira(19). Nos 8 casos, haviam sinais de automutilação e ingestão de medicamentos que podem ter sido motivados pelo “Jogo Baleia Azul”, que propõe aos participantes 50 desafios sendo o ultimo desafio, tirar a própria vida.

De acordo com a assessoria da secretaria de saúde, o comportamento padrão dos jovens indica que pode haver uma relação direta com o jogo. Eles apresentavam um comportamento padrão que remete às etapas do jogo, porém, ainda não há confirmação oficial se os casos têm relação com os desafios da “Baleia Azul”. Todos estão recebendo acompanhamento psicológico e os prontuários médicos foram entregues na Delegacia de Homicídios para investigação.

Inicialmente, a prefeitura informou que cinco jovens foram encaminhados à unidades de saúde de Curitiba após tentarem se matar. Na sequência, outros três adolescentes também foram internados, mas, nestes casos, não houve tentativa de suicídio e sim automutilação com ferimentos pelo corpo. Eles têm entre 13 e 17 anos.

A Prefeitura pediu que à Polícia Federal investigue o caso, e que as escolas do município realizam ações contra o suicídio e o jogo.

No “jogo” Baleia Azul, os adolescentes relatam receber mensagens em redes sociais com tarefas a serem cumpridas. Nas conversas, um grupo de organizadores, chamados “curadores”, propõe 50 desafios macabros aos adolescentes, como fazer fotos assistindo a filmes de terror, automutilar-se desenhando baleias com instrumentos afiados no corpo e ficar doente.

O Baleia Azul começou como “fake news” (notícia falsa) divulgada por um veículo de comunicação estatal da Rússia e se espalhou a partir de 2015. Mesmo sendo fake news, a notícia gerou um contágio, principalmente entre os jovens. De acordo com especialistas, o jogo não existia, mas com a grande repercussão da notícia, pode ter passado a existir.

Orientação

O secretário de saúde faz um alerta importante aos pais. “Orientamos que pais e responsáveis conversem com os adolescentes e fiquem atentos a sinais de isolamento, perda de vínculo familiar e quadros de automutilação”, diz o secretário municipal da Saúde de Curitiba, João Carlos Baracho. De acordo com o Baracho, os postos de saúde são a porta de entrada no sistema para aquelas famílias que precisam de ajuda. Caso seja necessário, o posto pode direcionar para atendimento de saúde mental em Caps ou outro serviço especializado, de acordo com a gravidade do caso.

Postar um comentário

0 Comentários